atendimento@colaborecomofuturo.com / 11 98126-7666 / 11 98144-5372

 

Rua Pombal, 463 - Sumaré

São Paulo, SP

  • Facebook
  • Instagram
  • LinkedIn - círculo cinza
  • Spotify - círculo cinza

Nossa diretora, Andrea Bento, fala sobre gargalos da Lei dos 60 dias em matéria do IVOC



Lei exige que tratamento contra câncer seja iniciado no máximo em 60 dias a partir do diagnóstico, mas a realidade é outra em diferentes regiões do país.

A lei dos 60 dias começou a vigorar em 2013, mas as pessoas que precisam de tratamento de câncer ainda têm muitas dificuldades para conseguir o atendimento no prazo determinado. Segundo a legislação, o paciente tem direito de iniciar o tratamento da doença em até 60 dias depois de “firmado o diagnóstico em laudo patológico ou em prazo menor, conforme a necessidade terapêutica”. De acordo com o Ministério da Saúde, os dados de fevereiro de 2017 do Sistema de Informações do Câncer (Siscan) mostram que 60,6% dos pacientes registrados tiveram o primeiro tratamento em 60 dias. O Siscan monitora e controla os casos de câncer no país. No entanto, os problemas ainda existem. Especialistas apontam a má gestão, a demora em se fazer o diagnóstico e a subnotificação de casos como alguns deles.

“A lei é um começo, mas nunca é o ideal”, diz Luiz Henrique Gebrim, mastologista e diretor técnico do Hospital Pérola Byington – Centro de Referência da Saúde da Mulher, em São Paulo. “A fila tem que andar. Falta organização em muitos municípios, falta quem diga o que tem que ser feito, falta gestão. Muitas vezes, uma mulher já chega ao hospital com um nódulo grande na mama, é palpável. Ela tem que ser encaminhada rapidamente para biópsia para que o diagnóstico seja feito e em muitos lugares isso não acontece”, afirma.

Até conseguir o diagnóstico, o paciente leva meses no Sistema Único de Saúde marcando consultas e exames que poderão confirmar a doença. “O diagnóstico depende da biópsia. Antes mesmo da lei dos 60 dias, nós do Perola Byngton, já trabalhávamos para que essa biópsia fosse feita rapidamente e o tratamento iniciado. Aqui, nós conseguimos fazer isso. Mas tem lugares no Norte e Nordeste do país que demoram 6 meses para fazer uma biópsia e mais 3 meses para dar o resultado”, comenta Luiz Henrique Gebrim.

A advogada Andrea Bento, especialista em políticas públicas em saúde e oncologia e consultora do Instituto Vencer o Câncer, também aponta a lentidão do atendimento que antecede o diagnóstico como um dos problemas. “Os exames de diagnóstico não deveriam ultrapassar 30 dias”, diz. Outro ponto que a advogada questiona é a subnotificação de casos de câncer. “Essa é uma lei federal de cumprimento municipal e tem municípios que ainda não estão no Siscan. Tem lugares que ainda fazem tudo manualmente, não registram no sistema”, acrescenta.

Após a batalha para conseguir o diagnóstico, o paciente ainda enfrenta outros problemas para conseguir iniciar o tratamento no prazo de 60 dias. Se for encaminhado para uma cirurgia, por exemplo, terá de passar por uma avaliação cardiológica com consulta e exames, o que, dependendo do município em que ele estiver, pode demorar também. “Esse procedimento faz parte do protocolo de cirurgia segura. O médico precisa saber se o paciente está em condições de fazer essa cirurgia e isso pode demandar mais tempo. Por isso, toda a rede precisa estar integrada para isso acontecer de forma mais rápida”, ressalta Luiz Henrique Gebrim, diretor técnico do Hospital Pérola Byington.

“O maior problema é a questão da gestão. A gente precisa melhorar todo o sistema”, ressalta a advogada Andrea Bento. Ela acrescenta que o paciente que não conseguir atendimento no prazo determinado pela lei deve procurar a ouvidoria das secretarias de saúde para fazer seu direito valer. Se não for atendido assim mesmo, ele pode recorrer à Justiça.

Em nota, o Ministério da Saúde informa que 4.957 municípios estão no Siscan e diz que todos estados estão capacitados para usá-lo. O Ministério da Saúde “reforça que, para que o prazo da lei seja garantido a todo usuário do SUS, é necessária uma parceria direta dos gestores locais, responsáveis pela organização dos fluxos de atenção”.

O Ministério da Saúde também afirma na nota que “os ajustes e aprimoramentos em curso do Siscan não prejudicam o ritmo de atendimento e tratamentos do câncer nos hospitais públicos e contratualizados com o SUS”.

A pasta informa ainda que em 5 anos, houve aumento de 34% no número de pessoas com câncer atendidas no SUS e os procedimentos de tratamento (quimioterapia, radioterapia e cirurgia oncológica) e de prevenção (mamografia e Papanicolau) cresceram 9%.

Fonte: https://www.vencerocancer.org.br/dicas-e-noticias/direitos-do-paciente/lei-dos-60-dias-ainda-tem-gargalos-que-precisam-ser-resolvidos/


34 visualizações