COMBATEMOS A DESIGUALDADE NA ÁREA DA SAÚDE

SOBRE A DESIGUALDADE NA ÁREA DA SAÚDE NO BRASIL

Existem vários exemplos de desigualdade no país, como por exemplo as dificuldades de acesso a educação e a moradia. Mas a desigualdade na saúde talvez seja a mais emblemática, pois pode influenciar muito a expectativa e a qualidade de vida das pessoas.

Devido ao tamanho do nosso país e da população, existe uma grande desigualdade na área da saúde. E não apenas entre aqueles que utilizam o SUS e os que tem plano de saúde, mas a saúde pública, a qual 80% dos brasileiros depende, é desigual nas diferentes regiões do Brasil, apesar de ter como princípios a universalidade, integralidade e equidade.

 

Um dos motivos para essa desigualdade é o tipo de financiamento de cada estado, os recursos não são iguais entre as diferentes regiões do país. Também, existe uma concentração de médicos e de tecnologias nos grandes centros, enquanto faltam profissionais da saúde e insumos básicos em regiões mais afastadas.

Além da desigualdade oriunda do próprio sistema, não podemos deixar de falar também das diferenças sociais que dificultam o acesso à saúde para grupos que convivem em um mesmo meio. A disparidade pode ocorrer dentro de diversos fatores, como raça/etnia, status socioeconômico, idade, local de residência, gênero, características físicas e orientação sexual.

 

Podíamos listar centenas de razões pelas quais o acesso à saúde é desigual no Brasil, mas o mais importante de ser falado é o impacto que isso gera para a população. E para a população como um todo, não apenas para aqueles de baixa renda ou que tem dificuldade de acesso.

Em 2011, um estudo conduzido nos EUA mostrou que os custos no setor teriam uma economia anual de US$ 15,6 bilhões se não houvesse essa disparidade na saúde. Isso ocorreu por conta da análise de que certas doenças (como diabetes, hipertensão, derrame, entre outras) não afetariam as camadas mais carentes da sociedade se elas tivessem o mesmo acesso à saúde do que os cidadãos com mais poder aquisitivo.

Esse valor, por exemplo, poderia ser investido na produção nacional de medicamentos, vacinação da população, fiscalização de qualidade dos produtos e em outros serviços utilizados por 100% dos brasileiros.

 

Por isso, mesmo se você tem acesso à um bom serviço de saúde, a desigualdade na saúde também te afeta. A desigualdade na saúde é um problema de todos nós!

E COMO COMBATER ESSA DESIGUALDADE?

Garantindo que a população participe das decisões sobre a saúde do país! Tendo a certeza de que a nossa voz está sendo ouvida e levada em conta por quem toma as decisões. Somente assim conseguiremos ter políticas públicas que de fato atendam a necessidade de TODOS nós brasileiros, em todas as regiões do país.

Para que as pessoas se tornem conscientes da importância de participar das decisões em saúde e saibam como fazer isso, realizamos treinamentos, elaboramos conteúdos digitais, lives, projetos e palestras em eventos sobre as diferentes ferramentas de participação social.

O resultado dessas capacitações são pessoas conscientes de seu poder de transformação, que entendem que participar das decisões sobre a saúde do país junto com o governo é mais do que exercer a sua democracia: é um ato de empatia e amor ao próximo, além de ser uma forma de ter o controle de sua própria vida, já que as decisões do governo afetam diretamente a vida de cada um de nós.

Abaixo, alguns exemplos de como fazemos isso na prática.

IMG-20220722-WA0018.jpg

CARAVANA DA COLABORAÇÃO

Projeto da Colabore que aborda as pessoas em vias públicas com o objetivo de ajudar a população a conhecer as diferentes formas de participação social e sensibilizar as pessoas a contribuirem com a sua comunidade, bairro e cidade. Queremos mostrar que é possível colaborar para termos um país mais justo, focando em especial nas melhorias do sistema de saúde.

ENGAJAMENTO EM CONSULTAS PÚBLICAS

Dezenas de consultas públicas são abertas anualmente no Brasil. Quando falamos em saúde, a população pode dar a sua opinião para o governo sobre por exemplo quais medicamentos e exames devem ser oferecidos para cada doença no SUS ou planos de saúde por meio de um canal direto com o governo - as consultas públicas, que nada mais são do que um formulário online. 

Nós acompanhamos diariamente as consultas públicas abertas e com uma linguagem fácil e objetiva, levamos a informação de consultas públicas abertas para os grupos de interesse. Por exemplo, se você fosse paciente de câncer de mama, gostaria de dar a sua opinião sobre um medicamento importante que o SUS está analisando oferecer para os pacientes? 

É isso que fazemos! Garantimos que os grupos de interesse saibam das consultas públicas abertas e como participar.

Paciente com.png
thumbnail_IMG-20220929-WA0013.jpg

voto pela saúde

Projeto colaborativo criado pela Colabore levantou as demandas e expectativas em saúde de 14 milhões de brasileiros.

 

Entre julho e outubro de 2022 compartilhamos o documento com 100% dos partidos brasileiros para que considerem nossa voz em seus planos de governo dos próximos mandatos!

colabore nas conferências de saúde

A Colabore leva pautas de saúde importantes para que sejam debatidas dentro dos conselhos nacionais e municipais de saúde, além de serem pautados também nas conferências nacionais de saúde.

47c1bd_7c2da7b90be44b3488b7232eed5daab7_mv2.jpg